Doenças Urinárias em gatos (“tema sugerido”)

Gato com dificuldade de urinar: após longo tempo nesta posição, não saiu nenhuma urina ou apenas poucas gotas

Gato com dificuldade de urinar: após longo tempo nesta posição, não saiu nenhuma urina ou apenas poucas gotas

Todos sabemos que é muito comum gatos apresentarem doenças urinárias. Porém, poucos sabem o que realmente são essas doenças e qual o manejo correto para preveni-las.

Primeiro, gostaria de ajudar a acabar com o “mito da ração Wiskas”: ela não causa a doença. O que aconteceu é que, antigamente, ela tinha outra fórmula que acabou predispondo alguns gatos a adoecerem. Porém, com os estudos avançados da medicina felina e de nutrição; há muito tempo, a ração foi reformulada. Convém saber que, como será explicado a seguir, para prevenir uma das causas da doença; deve-se usar ração que controle o pH urinário do gato. Existem várias rações no mercado para isso. Porém, também, existem várias rações que não o fazem. É sempre bom cuidar com rações muito baratas e avaliar custo-benifício.

O QUE É

O antigo termo “Síndrome Urológica Felina” (SUF) era usado para descrever a síndrome (conjunto de sintomas sem causa definida) de hematúria (sangue na urina) e disúria (esforço na hora de urinar), cuja causa não incluía infecção bacteriana, urolitíase (cálculo/pedra) ou neoplasia.

Hoje, o termo correto é Doença do Trato Urinário Inferior de Felinos (DTUIF) e inclui as doenças do trato urinário inferior de felinos (com causas conhecidas ou não). O rim não pertence ao trato inferior, mas sim; ao superior. Portanto, doenças renais específicas (como doença renal crônica; muito comum em gatos) não são DTUIF. Os órgãos que fazem parte do trato urinário inferior são a vesícula urinária (bexiga) e os canais por onde a urina passa até o exterior.

Denominação

Doença

Sigla

Idioma

Atual

Doença do Trato Urinário Inferior de Felinos

DTUIF

Português

Feline Lower Urinary Tract Disease FLUTD Inglês

Antiga

Síndrome Urológica Felina

SUF

Português

Feline Urologic Syndrome

FUS

Inglês

A DTUIF pode ser agrupada em uma das três classificações principais, a seguir:

• Doenças inflamatórias

• Urolitíase (pedras ou cálculos)

• Uropatia obstrutiva (doença que leva à obstrução urinária)

SINTOMAS

Os principais sintomas (sinais clínicos) apresentados por um gato acometido por DTUIF, geralmente, incluem as seguintes situações:

• Uso mais freqüente de bandeja sanitária (caixa de areia); ou seja, aumento na micção (poliúria).

• Utilização de locais incomuns para urinar, diferentes daqueles em que está costumado (micção errática).

• Esforço na hora de urinar (disúria), resultando a eliminação de apenas um pouco de líquido (polaquiúria).

• Presença de sangue na urina (hematúria).

• Depressão, desidratação e falta de apetite (inapetência ou hiporexia).

• Ruídos vocais durante a micção.

• Lamber constantemente a região genital.

A DTUIF pode transformar-se em um sério problema de saúde, causando até a morte do animal. Quando a causa da DTUIF é obstrução, trata-se de uma EMERGÊNCIA!

CAUSAS

As causas da doença não são específicas e, muitas vezes, há vários fatores incluídos. Algumas causas conhecidas incluem:

• Inflamação das vias urinárias resultantes, ou não, de cristais/cálculos

• Agentes infecciosos (bacterianos ou virais)

• Neoplasias de bexiga e uretra

• Traumas

• Alterações neurogênicas

Entre os fatores predisponentes, encontram-se:

• Nutricionais

• Estresse

• Obesidade

• Falta de exercícios

• Pouca ingestão de água

• Fatores genéticos

É importante saber que a castração não causa a DTUIF. O que acontece, muitas vezes, é a obesidade, comum em animais castrados; predispor à doença. E mais, não é a castração que leva à obesidade, mas, sim, a falta de exercício físico e animais castrados tendem a se movimentar menos. Por isso, é muito importante que o dono do gato induza-o a se movimentar, com brincadeiras; por exemplo! Gatos castrados, também, necessitam de cuidados com a dieta e, atualmente, há muitas opções de rações pra isso. Portanto, não justifica deixar de castrar o gato para que ele não apresente DTUIF.

PREVENÇÃO

• Oferecer ração à vontade, sem horário pré-determinado (ver explicação abaixo).

• Fornecer bastante água fresca ao animal. Se o gato é acostumado a beber apenas água correte (da torneira), pode ser colocada uma fonte de água num local de fácil acesso para o gato.

• Manter a caixa de areia em local de fácil acesso, preferencialmente distante do pote de comida do gato (os gatos são muito higiênicos) e manter a caixa de areia sempre limpa. O ideal é ter, em média, duas caixas de areia por gato.

• Estimular o animal a exercitar-se.

• Minimizar o estresse.

• Evitar obesidade.

• Visitar regularmente o veterinário. Principalmente, se o gato já apresentou DTUIF alguma vez, é importante fazer o acompanhamento através de exame de urina (principalmente, pH urinário).

TRATAMENTO

Quando for observado qualquer sintoma descrito anteriormente, o gato deve ser levado ao médico veterinário imediatamente (principalmente quando se tratar de obstrução).

A conduta irá variar de acordo com o diagnóstico.

Os exames complementares a serem realizados incluem: exame de urina (urinálise), de sangue, Rx e ecografia (alguns cálculos não são visualizados no Rx e necessitam de ultrassom).

Animal obstruído deve ser desobstruído pelo médico veteriário o quanto antes, sendo indispensável a correção de eletrólitos (desidratação) através de fluidoterapia (soro). Pod ser necessário sonda de espera (o animal fica sondado por mais de um dia).

Medicamentos como antibióticos e anti-inflamatórios também podem ser necessários.

Caso o gato seja sondado (sedado), assim que ele estiver melhor da sedação e de seu estado geral, ele deve voltar a comer. Caso isso não ocorra, é importante fazer alimentação forçada para não induzir à lipidose hepática (ver artigo sobre lipidose).

Pode ser necessário cirurgia, como em tumor ou recidivas de cálculos/tampões que não respondem ao manejo correto (alimentação corrigida e outros indicados pelo veterinário).

MAIS SOBRE A  DTUIF

• Doenças inflamatórias

As doenças inflamatórias com causas desconhecidas (idiopáticas) são bastante comuns em gatos e, muitas vezes, estão relacionadas ao estresse. Atualmente, a cistite intersticial é bastante comum na clínica de felinos. É importante levar o gato ao veterinário para o tratamento devido e auxílio para descoberta de uma possível causa de estresse. O animal pode melhorar espontaneamente em cinco a sete dias, mas pode ressurgir após períodos variáveis; portanto, é muito importante o acompanhamento veterinário. As doenças inflamatórias com causas conhecidas incluem as bacterianas, as virais e àquelas causadas por cálculos e/ou cristais, os quais provocam irritação das mucosas da bexiga e da uretra.

• Urolitíase (cálculos) e Uropatia obstrutiva (tampões uretrais)

Urólitos (ou cálculos ou pedras) são concentrações policristalinas compostas primariamente de minerais, enquanto tampões uretrais são mais comumente compostos de grandes quantidades de matriz misturadas com minerais, apesar de alguns serem compostos primariamente de matriz. Os cálculos, geralmente, ocorrem na bexiga e variam de tamanho desde partículas arenosas a pequenas pedras. Ambos podem levar à obstrução urinária (interrupção do fluxo urinário) seja de forma parcial (urina em gotas) ou total (não urina). Neste último caso, o animal pode ir a óbito rapidamente, visto que as toxinas da urina são reabsorvidas pelo organismo. É EMERGÊNICA (deve ser levado imediatamente ao veterinário para desobstruir)! Porém, a obstrução parcial também é emergência, pois a qualquer momento ela pode se tornar total. E, mesmo que isso não ocorra, o baixo fluxo de urina favorece à reabsorção de resíduos tóxicos presentes na urina. A obstrução uretral é mais comum no macho, devido à conformação da uretra (canal que vai da bexiga até o pênis e leva a urina para o exterior), que é fina e estreita.

Urólitos de uma variedade de composição química têm sido encontrados em gatos. Os mais comuns são de estruvita e oxalato de cálcio.

Cristais de estruvita

Urólitos de estruvita removidos de uma bexiga

Urólitos de estruvita removidos de uma bexiga

Fotomicrografia demonstrando cristalúria de estruvita

Fotomicrografia demonstrando cristalúria de estruvita

• Mais comuns em gatos jovens

• Formados em urina com pH alto (alcalino)

• Existem rações específicas para acidificar a urina e evitar recidiva (nova formação de cálculo ou tampão)

Oxalato de cálcio

Oxalato de cálcio removidos de uma bexiga

Oxalato de cálcio removidos de uma bexiga

• Mais comuns em gatos mais velhos.

• Formados em urina com pH baixo (ácido)

• Existem rações específicas que auxiliam para alcalinizar a urina (dietas que promovem a redução de urina subsaturada com oxalato de cálcio)

O pH da urina do gato costuma variar de 5,5 a 8,0. A manutenção de um pH acima de 6,5 por longos períodos favorece a formação dos cristais de estruvita, devido à precipitação dos cristais de magnésio. Portanto a urina ácida evita a formação dos cristais de estruvita. Após uma boa alimentação, os gatos tendem a ter um fluxo urinário alcalino. Isso significa que, logo em seguida à ingestão de alimentos, o pH da urina do animais aumenta para o básico, retornando horas depois para o pH ácido. Quando os animais se alimentam espontaneamente ao longo do dia, ou seja, sem horários pré-determinados, o fluxo urinário alcalino é minimizado. Prevenindo, assim, a formação de estruvita. É importante fazer o exame de urina para avaliar pH freqüentemente, pois pode acontecer de acidificar muito a urina, favorecendo a formação do oxalato de cálcio.

Observação: Gatos machos que apresentam grande recidiva (retorno) de obstrução urinária por tampões, apesar do manejo alimentar específico, são candidatos a cirurgia (uretrostomia perineal).

Resumindo, a DTUIF inclui:

1. Doenças obstrutivas (uropatias obstrutivas): cálculo (urolitíase), tampões, neoplasias, estenoses uretrais (alteração anatômica)

2. Doenças não obstrutivas (uropatias não obstrutivas):

• Doenças inflamatórias (uropatias inflamatórias) da bexiga ou da uretra: sem ou com causas conhecida: infecciosa (bactérias, vírus), neoplásica

• Urolitíase/tampão não obstrutivos (como nas fêmeas, principalmente)

Os fatores para prevençãoo são muito importantes, principalmente a ingestão de água.

A alteração na alimentação deve ser orientada pelo médico veterinário, bem como o acompanhamento através de exames de urina.

E nunca é demais falar: obstrução urinária (total ou parcial) é emergência!!

About these ads

5 Respostas para “Doenças Urinárias em gatos (“tema sugerido”)”

  1. Doris Welker Diz:

    Oi Carol!

    Mto interessante esta postagem… E é mto bom saber que não é uma ração que vai causar problemas urinários. Lógico que sempre devemos dar alimento de qualidade pros nosso bichanos, mas acredito que hoje em dia com a ajuda da tecnologia as rações tem melhorado bastante. E depende de outros fatores pra surgirem os problemas urinarios né… Por isso devemos estar sempre atentos!

    Abraço! Obrigada por acatar a minha sugestão! Esclareceu bastante sobre os problemas urinários e quebrou alguns mitos né que criam em cima das rações e da castração.

    Resposta:
    É preciso ficar claro que é importante dar preferência às rações que têm componentes que ajudam a prevenir a doença urinária. Não as rações terapêuticas, estas, sim; devem ser prescritas por veterinários!
    Eu é que agradeço suas sugestões… São muito bem-vindas!

  2. Tenho um gato vira lata de quase 2 anos e pela segunda vez está internado, na primera vez a veterinaria orientou que castrasse ele. Gostaria de saber se isso realmente ajuda? Faz uma semana que o Nicolas está internado mudei de veterinario que me orientou a colocar medicação na ração dele, quero saber se isso realmente e bom ou se tem mais alguma coisa que posso fazer p ajuda-lo. Adorei essa postagem, ajuda muito.

    Resposta:
    Olá, Bárbara! Castrar SEMPRE ajuda! Na qualidade de vida do seu gato… Faça o que seu veterinário pediu. Sugiro que avalie o pH da urina dele freqüentemente com seu veterinário. E, claro, rações específicas.

    Boa sorte!

  3. Tenho um gatinho que tem esse problema, da ultima vez ele ficou muito mal e por pouco naum morreu, ele tava inchado, naum conseguia ir ao banheiro, naum comia nem se levantava mais, só ficava deitado e perto de agua, normalmente queria ficar no banheiro, (uma duvida, pq os gatos qnd estao doentes, querem ficar em contato com a agua, eu li q qnd estao doentes, eles se isolam, como se naum quisesse dar trabalho aos donos, qnd vejo os meus assim, fico louca).
    Esse meu gatinho teve que usar uma sonda por 5 dias mais ou menos, ele tomava soro, remedio, e um cha de quebra pedra que pelo que sei todo mundo dar esse cha, pq ajuda a fazer xixi.
    Mudamos a ração dele, por um mes ele comeu uma ração propia pra esse problema, uma ração muito boa, mas cara, e dps mudei pra uma da mesma marca só que tida como ração de prevenção e ele nunca mais teve esses problemas, ta sempre indo ao seu banheirinho, ou na rua, nem foi preciso mas da cha e olha q ele tinha q tomar sempre, a ração é ótima, ele ate engordou, ta mais bonito e como a ração é bem forte, tem tudo que precisa, pelo menos é o q dizem, rsrs, ele come poucas vezes ao dia, no maximo 3, isso pq a ração é dada pelo peso dele, eu recomendo, pelo que eu li dessa ração ela ajuda a diluir os cristais que se formam nos gatos e acabam ajudando a prevenção pois os nutrientes sao bem balanceadas.

  4. Acontece que eu adotei três lindas gatinhas há dois meses, e como toda pessoa que tem uma novidade deve fazer, vim me informar sobre elas, né? Só que eu não li coisas sobre doenças, etc… li coisas sobre comportamento, caixas de areia blablabla. Mas não sei se é impressão minha mas gato fica doente muito facilmente, no orkut é um caso atrás do outro, na internet tem milhões de artigos sobre doenças e isso tá me deixando muito preocupado. Eu tô ficando até sugestionado com tudo que eu leio, to sempre procurando indício de doença nelas: pulgas, comportamento diferente. Minha pergunta é: gato fica doente facilmente, mesmo?

    Resposta:
    Gato fica doente tão facilmente quanto outros animais… Se bem que o gato demora um pouco mais para demonstrar sua doença. Isso, talvez, porque o felino na natureza não pode demonstrar fragilidade; já que está no ápice da cadeia alimentar. Então, no felino doméstico (gato), muitas vezes, também demora para percebermos que está doente. E quando notamos, a doença já agravou. Por isso, um grande indicador é o apetite. Muitas vezes, o gato até está comendo, mas pouco e só vamos perceber, quando parou totalmente de comer e é aí que a coisa complica, porque já está agravada a situação (que iniciou-se há um tempo).

    Gatos são sensíveis, sim, mais que cães. E todo estresse é porta aberta para doenças, pois diminui a imunidade. Deste ponto de vista, podemos dizer que os gatos adoecem facilmente.

    Se precisar conversar mais sobre o assunto, podemos conversar!!!!
    Boa sorte com seus novos felinos!!

  5. meu gato ja teve obstrução e ficou internado por vários dias foi necessa´aria a castração achamos que ele estava bem mas agora ele começou a urinar sangue e o veterinário recomendou antibíoticos e uma ração especial mas não vejo melhora o que mais posso fazer por ele.sera que a cirurgia para a remoção do orgão genital e recomendada?

    Resposta:
    Se o veterinário sugeriu tal cirurgia, é algo a se pensar. O mais importante é que seja realizada por um bom cirurgião veterinário. Busque uma clínica ou hospital veterinário de confiança. Mas essa cirurgia é recomendada para casos de muita recidiva (os sintomas retornam com frequência)… Você já descobriu qual é o cáculo (pedra) que obstrui ou qual o pH da urina que leva à obstrução? Porque é possível fazer um controle a partir disso, converse com seu veterinário. Mas se já fizeram tudo isso e, mesmo assim, não resolve… a cirurgia é uma opção.

    Boa sorte!

Os comentários estão desativados.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 35 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: